quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Um prefeito Diferente

      Fiorello LaGuardia  foi prefeito de Nova York na pior época da Grande Depressão e durante toda a segunda guerra mundial.
LaGuardia era uma figura pitoresca, que costumava andar nos carros de bombeiro da cidade, invadir botequins com a policia, e levar um orfanato inteiro a um jogo de beisebol.
Numa noite muito fria, em Janeiro de 1935, o prefeito apareceu no tribunal noturno que atendia o bairro mais pobre da cidade. Naquela noite, LaGuardia dispensou o juiz e assumiu seu lugar. Após alguns minutos, uma senhora vestida com trajes esfarrapados foi trazida diante dele, acusada de ter roubado um filão de pão. A senhora contou a LaGuardia que seu genro abandonara o lar, deixando sua filha doente e seus dois netos passando fome. Mas o padeiro de quem ela havia roubado o pão recusava-se a retirar a queixa.
     - Eles são péssimos vizinhos, excelência - disse o homem ao prefeito.
    - Ela precisa ser punida para que isso sirva de lição às outras pessoas da redondeza.
     LaGuardia deu um longo suspiro. Virou-se para a mulher e disse:
     - Eu preciso punir a senhora. A lei não permite excessões. Dez dólares ou dez dias na cadeia.
     Enquanto pronunciava a sentença, o prefeito enfiou a mão no bolso, retirou uma nota, atirou-a dentro de seu famoso sombreiro e disse:
     - Aqui estão os dez dólares da multa que eu cancelo neste momento; e agora vou multar cada pessoa nesta sala em 50 centavos, por viver em uma cidade onde uma cidadã necessita roubar pão para dar de comer a seus netos. Sr. Bailiff, faça a coleta das multas e entregue-as a ré.
      No dia seguinte os jornais de Nova York noticiaram que os US$ 47,50 arrecadados foram entregues à assustada senhora que havia roubado um filão de pão para alimentar seus netos, sendo que 50 centavos dessa quantia foram pagos pelo padeiro, que tinha o rosto ruborizado de vergonha, enquanto cerca de 7 pessoas acusadas de pequenos delitos ou violações das leis de transito e alguns policiais, que se sentiram privilegiados em contribuir com 50 centavos, levantaram-se para ovacionar o prefeito.


"Vós sois o sal da terra; ora se o sal vier a ser insípido, como lhe restaurar o sabor? Para nada mais presta senão para, lançado fora, ser pisado pelos homens.
Vós sois a Luz do mundo."
                                                                        Mateus 5:13,14

Ano Novo!

     Vamos aproveitar esse último dia do ano para fazer a nossa retrospectiva pessoal e começar o novo ano não só com brindes, mas com a consciência de que ainda temos muito o que fazer, pela família, pelo próximo, pelo planeta, pelos amigos e até pelos inimigos.
     Que neste último dia,  antes de levantar a taça, que cada um de nós eleve os olhos ao céu e agradeça ao nosso Pai celestial, DEUS, Jeová, por tudo o que aconteceu este ano  na nossa comunidade, cidade, país, mundo e principalmente em nossas vidas. Não se esqueçam que o Amor de DEUS por cada um de nós é a única razão de não sermos consumidos. 
      E para aqueles que ainda não sabem orar eis uma sugestão:
   
Senhor,
nesta noite depositamos diante de Ti todos os sonhos,
todas as lágrimas e esperanças contidos em nossos corações.

Pedimos por aqueles que choram
sem ter quem lhes enxugue uma lágrima.
Por aqueles que gemem
sem ter quem escute seu clamor.
Porque não te conhecem Senhor.

Suplicamos por aqueles que Te buscam
sem saber ao certo onde Te encontrar.
Para tantos que gritam paz,
quando nada mais podem gritar.

Abençoa Senhor,
cada pessoa do planeta Terra,
colocando em seu coração um pouco
da luz  eterna que vieste acender
na noite escura de nossa fé.

Fica conosco, Senhor!
Te oramos agradecidos, em nome de Jesus,
Amém.